Carol Hofstatter, Comissária Brasileira da Qatar
Entrevistas  /  junho 21, 2017
Carol Hofstatter, Comissária Brasileira da Qatar

Carol é natural da cidade de Americana, no interior de São Paulo. Aos 39 anos de idade conta que já foi professora de ballet, mas acabou por se dedicar à aviação por influência de um ex-namorado que atuava na área.

No Brasil chegou a participar do processo de seleção da Azul, porém, encontrou seu lugar nos céus através da companhia árabe (uma das 3 melhores do mundo). Entre suas experiências na Qatar, conta que tem preferência por tripular o modelo Airbus A330 e escolhe a cidade de Copenhagen como o seu melhor pernoite até o momento. Confira todos os detalhes a seguir.

PERGUNTA: Como foi o processo seletivo da Qatar? Existe limite mínimo e máximo de idades?
Carol Hofstatter: Idade mínima de 21 anos e, em teoria (eles não dizem abertamente), máxima de 35. Porém entrei com 36, quase 37. A seleção dura 2 dias. As fases são eliminatórias, com dinâmicas em grupo e entrevista individual. (Confira no final desta entrevista toda a sequência do processo de seleção na Qatar).

PERGUNTA: Após a aprovação na seleção, quanto tempo dura o treinamento da Qatar? Fale um pouco dele.
Carol: Dura 8 semanas. Há muita informação para ser memorizada. São 4 semanas de serviços e 4 semanas de procedimentos de portas, segurança, safety e etc.

PERGUNTA: Quando termina o treinamento existe uma formatura?
Carol: A formatura é apenas o último dia quando vamos de uniforme para o escritório. Tem o discurso do CEO e uma foto da turma apenas. O uniforme é entregue na última semana do treinamento.

PERGUNTA: Como são os vôos de instrução?
Carol: São realizados dois voos de observação, sendo um em aeronave wide body e outro em aeronave narrow body.

PERGUNTA: Como funcionam a apresentação para voo em Doha, a definição das posições de portas entre os tripulantes, o briefing e o debriefing?
Carol: A apresentação é feita no prédio técnico da Qatar (QROC) e o briefing tem duração de aproximadamente 50 minutos, com perguntas sobre serviços e safety feitas individualmente pelo CSD (cabin service director) para cada comissária daquele voo. O CDS é quem define as posições de portas entre os tripulantes. Já na aeronave temos o briefing com o comandante e co-piloto, que informam duração do voo e demais detalhes, como turbulência esperada e etc. O debriefing só existe caso haja problemas no voo.

PERGUNTA: Como são os apartamentos funcionais da Qatar? Como é a escolha da companheira de quarto?
Carol: Os apartamentos são de 2 ou 3 dormitórios, padronizados com os mesmos móveis em qualquer dos prédios. Os prédios são divididos em masculinos e femininos. Não se escolhe de início com quem morar, a empresa é que define. Após 6 meses pode-se pedir, online, para morar com outra pessoa contanto que seja do mesmo sexo.

PERGUNTA: Muitos falam sobre as regras impostas pela empresa em questão de horários, comportamentos. O que se pode fazer em Doha e o que não se pode? E nos apartamentos funcionais?
Carol: Podemos receber visitas entre 7 da manhã e 10 da noite. Não podemos deixar ninguém de fora “dormir” no apto. Em dias de folga, temos que voltar para o apartamento no máximo às 4 da manhã e é proibido passar a noite fora.

PERGUNTA: Em Doha o que tem de bom para se fazer nas horas de folga?
Carol: Andar no Corniche (orla de Doha), almoçar nos restaurantes do Souq (mercado árabe) e shopping centers.

PERGUNTA: Qual a média salarial da empresa?
Carol: Recebe-se em qatari ryal, moeda do Qatar. A cotação para o dólar é de $3,65 ryals (quase igual o Real). O salário básico é de $4.200 sendo que descontam por 2 anos um valor escrito no contrato, ficando então $3.600 mais $50 ryals por hora de voo.

PERGUNTA: Quantas horas de voo podem ser cumpridas por mês na Qatar? Existe regulamentação de horas máximas voadas?
Carol: Pode-se voar até 120 horas, e não há regulamentação como no Brasil.

PERGUNTA: Existe a possibilidade de pedir folga? O tripulante tem direito a quantas folgas?
Carol: Folgas podem ser pedidas, mas não significa que serão dadas. Total de 8 folgas.

PERGUNTA: Como funcionam os benefícios (passagens para família ou amigos) da Qatar para os funcionários?
Carol: Familiares diretos voam com até 90% de desconto. Amigos com até 70%. Amigos podem ser cadastrados duas vezes ao ano. Pode-se utilizar até 15 trechos no total.

PERGUNTA: Como é e qual a duração do contrato com a empresa?
Carol: Depende. O meu era de 5 anos, mas havia meninas na minha sala com contrato de 3 anos.

PERGUNTA: Quais são as aeronaves que você tripula ao chegar na empresa e quais você tripula posteriormente?
Carol: Todo mundo começa com B787, B777 e A320. Depois são divididos em 2 grupos, em que todo mundo continua com essas 3 e adiciona ou A380 ou A330, 340 e 350.

PERGUNTA: Quais são os planos de carreira em voo da QATAR?
Carol: Inicia-se na F2, econômica, por 3 anos. Em seguida, F1, business class, por mais uns 2, 3 anos. Depois CS, cabin sênior e chefe da econômica,  por 2, 3 anos. E por fim CSD, cabin supervisor director e chefe geral da aeronave. Depois disso pode aplicar-se para dar instrução.

PERGUNTA: Quais são as opções de uniformes? Fale sobre eles em relação a padrão: como usar, segue instruções de um chefe, por exemplo?
Carol: Saia ou calça. Não tem vestido. Se o CSD mandar pôr jaqueta, todos têm de pôr. Se mandar tirar, todo mundo tira.

PERGUNTA: Quais são as cores permitidas de unhas e batom?
Carol: Burgandy (vinho, cor do uniforme), vermelho, pink, francesinha e
base transparente. Batom deve sempre ser igual ao esmalte. Nude não pode.

PERGUNTA: Depois do acidente do GermanWings, como ficou o procedimento de Safety de abertura de cabine na Qatar? Dizem que é um dos mais seguros do mundo.
Carol: Mesmo antes do acidente já era como é hoje. Quando sai um dos pilotos, a chefe de cabine ou f1 fica lá até o piloto voltar.

PERGUNTA: Já aconteceu de todos os tripulantes serem de países diferentes em um voo seu? Como fica o entendimento cultural e os vários sotaques no idioma inglês?
Carol: Sim, já aconteceu. Fica uma situação desafiante! (Risos)

PERGUNTA: Qual foi a situação mais legal que aconteceu em voo? E uma situação negativa ou emergência a bordo?
Carol: Uma legal foi com crianças italianas. Duas irmãs me desenharam e queriam ficar comigo o tempo todo. E teve outro voo em que um falcão vendado estava a bordo junto com o passageiro. Situação negativa ocorre quando há passageiros mal educados.

PERGUNTA: Você já passou por emergência em voo?
Carol: Emergência médica. Passageiro com pulso fraco, no oxigênio durante o voo inteiro. Era um voo longo.

PERGUNTA: Qual o vôo mais longo que você já fez? E o mais curto?
Carol: O mais curto foi Doha – Barein, um voo de 25 minutos. O mais longo foi Doha – Melbourne, com 15 horas.

PERGUNTA: Hoje existem muitos brasileiros tripulantes na Qatar? O fato de ser brasileiro ajuda a ser comissário na Qatar?
Carol: Existem, mas muito mais pilotos do que comissárias. Ser brasileiro ajuda, pois brasileiro tem fama de hard working (trabalhador) e easy going. (fácil de lidar).

PERGUNTA: Fazer parte da Qatar quando ela foi eleita a melhor empresa aérea do mundo foi motivo de comemoração por parte dos tripulantes? E como foi para você?
Carol: Com certeza! Tivemos uma fila de dias para tirar foto com o quadro da Skytrax. Tirei a minha!

Entrevista feita por Bruno Sabbá.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.


*


@diariodeaviacao
EnglishPortuguese